No nosso tradicional espaço para bandas e artistas independentes, trazemos hoje a banda Karmas & DNA, de Três Lagoas.



Formada em 2011, o Karmas & DNA é uma banda de rock alternativo que mescla influências de Folk Regional com musica progressiva, com letras poéticas e de cunho social. Já houve algumas alterações na formação da banda, mas hoje os integrantes são: nos vocais e percussão, Carlos Freitas; violões e vocais com Vinícius Paschoalin; Caíque Tosta no contrabaixo e vocais; Gabriel Diogo Carvalho nos Violinos e, na bateria, Danilo Lopes.

 No começo de 2013, a banda lançou o EP “Poesia na terra do caos". Composto de quatro músicas, o trabalho, totalmente autoral, traz uma bela combinação de melodia e ótimos arranjos com uma poesia critica, que questiona valores e rumos da sociedade atual. O resultado é algo que não se ver muito por aí, é moderno e criativo, ao mesmo tempo que resgata ritmos regionais que muitos jovens desconhecem. A produção foi totalmente paga pela banda e a gravação teve o apoio do músico e produtor Hélio Castelhano.

Ouvi as musicas e curti bastante o trabalho deles, que conforme Carlos  “tem muito de regional, é como se fosse uma volta às raízes: lá você percebe influência de Legião Urbana na música Antipoesia e também do Folk Regionalista, na música Cervantes. E até mesmo da Jovem Guarda quando você escuta Abismo e Canções.”

 O  Karmas & DNA segue na estrada e acabaram de lançar o single Vibratto. O novo single traz mudanças em relação ao primeiro trabalho. A própria banda aponta em seu Facebook:

 “Eis que depois do disco de estreia “Poesia na Terra do Caos”, logo no começo de 2013, o KARMAS & DNA solta um novo Single com a música VIBRATTO, o que causou certo espanto para aqueles que acompanhavam o trabalho da banda, pois ao invés de repetirem o que haviam feito no primeiro lançamento, a banda decide inovar, buscando influências no estilo Shoegazer Inglês, dessa vez o som LOW FI predominava, nada era limpo e cristalino, não havia nada de extremamente polido e cândido, dessa vez, tudo era sujo, barulhento e melancólico.

A mudança de estação na rádio anunciava a nova proposta da banda, trazer a melancolia sonora das ruas para dentro do seu aparelho de som envolto por uma bateria caótica e hipnótica ao fundo marcando juntamente com uma percussão apocalíptica todo sentimentalismo dos violinos dobrados com uma levada lúgubre de Sítara ao final, tudo isso para servir de molde à uma letra que retrata a mudança no estado de consciência do ser humano, dando como fadado o fim que aproxima o começo. Mais uma vez a banda abre fuga sobre uma cena musical saturada de “grandes estrelas sem céu” e decide ir ao contrário de tudo isso, de gravações polidas, de músicas pop-comerciais e de “mainstream”, apenas música com sentimento e quem conseguiu sentir, entendeu a proposta".


Para conhecer todo o trabalho dos caras

Siga no Twitter:

Se inscreva no canal

Sucesso para o Karmas & DNA e aguardem em breve mais um Antena Ligada, com o que há de melhor pelo Brasil. 


Espalhe:

Dré Tinoco

Post A Comment:

0 comments so far,add yours