Ultimas do CPR

News

Leia Mais

CPR RadioCast

Leia Mais

Canal CPR

Leia Mais

Antena Ligada

Leia Mais

Review

Leia Mais

Colunas

Leia Mais

Elenco

Leia Mais

Top Listas

Leia Mais

Babes

Leia Mais

Boys

Leia Mais

Recentes

26 de set de 2016

Lá vem o trailer final do Luke Cage

A Netflix soltou o trailer final da série do Nicolas Luke Cage.


Depois de sua participação em Jessica Jones, o sujeito de pele impenetrável vai viver altas aventuras enfrentando uma turminha num bairro barra-pesada. Veja o trailer:


Veja também os pôsteres com os principais personagens da trama, que foram divulgados faz um tempão mas não nos demos ao trabalho de colocar aqui:






30 de setembro a parada fica disponível na Netflix, mano. Parece que vai ser foda, hein?

Me despeço e deixo com vocês um som barra pesada.


Baú do Som- Tears and Rain



Lágrimas na chuva.

 O monólogo do replicante Roy Batty  é um dos grandes momentos do clássico Blade Runner. O que torna a cena mais interessante é que a famosa frase "Tears in rain" com que abri o post foi um improviso do ator Rutger Hauer, interprete do Roy (como a Dri falou nesse excelente POST )

Mas não vou falar de Blade Runner aqui não.

Só vou colocar aqui o vídeo de Lágrimas e Chuva do Acústico MTV do finado Kid Abelha, que escutei muito na época do lançamento.




Ah, Paula Toller.

Bom dia!


22 de set de 2016

Sessão CPR- The Mindscape of Alan Moore

Recentemente o grande Alan Moore anunciou sua aposentadoria das histórias em quadrinhos.


Não podia deixar passar em branco e resolvi ressuscitar a Sessão CPR. Nada melhor que Alan Moore falar de Alan Moore, certo?  


Encontrei no vocêtubo o excelente documentário The Mindscape of Alan Moore (2003), que mostra o que o mago pensa, sua visão sobre a arte e o mundo. Confiram:




Eu gostei bastante, pois é bem diferente do que estamos habituados a ver nesse tipo de produção, que geralmente apelam pra blá-blás de fãs, amigos, familia, etc, que não dizem nada.

Obrigado por tudo, Alan Moore


5, eu disse 5, teasers de Ghost in The Shell.

A Paramount soltou 5 teasers do controverso Ghost in The Shell.


Confiram:


Do pouco que vi,posso dizer que curti o visual. Achei bacanudo. Vou aguardar os primeiros trailers pra ver se dar pra botar fé nessa adaptação.

20 de set de 2016

Cine Tranqueira- La Mujer Murcielago

Direção: René Cardona
Elenco: Maura Monti, Roberto Cañedo, Hector Godoy, Jorge Mondragon
México, 1968


Muito antes da Mulher-Gato interpretada por Halle Berry naquele filme de merda, o universo do Batman já havia inspirado uma outra combatente do crime em trajes mínimos no cinema: a Batwoman ou La Mujer Murcielago.


Assim como o filme hollywoodiano, La Mujer Murcielago também é uma bosta. Mas custou bem menos. O diretor René Cardona (não confundir com codorna) foi um daqueles especialistas em produzir bombas cinematográficas barateiras. Nascido em Cuba, ele filmou bastante no México. Lá na terra do Don Ramon, ele realizou incontáveis atentados contra a sétima arte e ainda transmitiu seu talento para um filho e um neto, que mantiveram firme o seu legado.


Mas vamos ao filme: La Mujer Murcielago é meio que uma mistura de Batman, Sports Illustrated, lucha libre, tokusatsu e Chaves (o filme se passa em Acapulco, inclusive) numa falta de definição melhor. A “trama” nos mostra a nossa heroína, que veste somente uma máscara, capa e biquíni, recebendo do serviço secreto mexicano a missão de investigar o sumiço de praticantes da lucha libre.


 Acontece que um cientista louco (que tem um assistente de nome Igor, vejam vocês) está capturando esses lutadores para retirar a glândula pineal (mas hein?! recomendo consultar a Wikipedia) deles. O pirado pretende (e consegue!) criar um hibrido homem-peixe.


La Mujer Murcielago é aquele trash de praxe: Roteiro pífio, atuações ridículas, diálogos constrangedores, efeitos baratos e muitas cenas toscas e risíveis. Tente não rir com as lutas da heroína no ringue, onde a protagonista é visivelmente substituída por uma dublê com vários quilos a mais (Não à toa que são as únicas cenas em que a heroína cobre o corpo todo, huahuahua).


Apesar de todas essas “qualidades”, a bagaça não figura na minha lista de bons filmes ruins porque achei bem maçante na maior parte do tempo. O grande destaque acaba sendo mesmo a beleza da protagonista Maura Monti.




Se quiser conferir com seus próprios olhos, está disponível, completo e legendado, no Vocêtubo:




19 de set de 2016

Lembra daquela música daquele filme da Marvel? Nem eu

Nesse fim de semana, fiz uma revisão de Civil War no aconchego do lar. A sequência do aeroporto é a melhor cena de luta/ação do ano e o longa é fácil o melhor dos filmes de supers lançados no ano (seguido de perto por Deadpool).


Os Russos mandam bem na ação e sabem encaixar direitinho aquelas piadinhas obrigatórias em filmes da Marvel. Melhores nisso, juntos com James Gunn. O filme só fica devendo mesmo quanto a trilha sonora. Merecia um compositor mais inspirado que o Henry Jackman.


Mas a verdade é que esse não é um problema somente dessa produção da Marvel. As trilhas sonoras originais dos longas produzidos por Kevin Feige & cia sofrem sério de falta de personalidade. São genéricas, nada marcantes. O pessoal do Every Frame a Painting fez um vídeo sobre o assunto:


De todos os filmes lançados pelo Marvel Studios, realmente só consigo me lembrar dos temas do primeiro Homem de Ferro, O Incrível Hulk e do primeiro Vingadores

E digo que só gosto mesmo da trilha do verdão.




Bom dia


14 de set de 2016

Brie Larson abre fogo em trailer vermelhão de Free Fire

Soltaram um trailer vermelhão de Free Fire, longa com direção de Ben Wheatley e produção do grande Martin Scorsese. No elenco, nomes como a  Capitã Marvel Brie Larson e o Espantalho Cillian Murphy.


O filme mostra duas quadrilhas rivais se enfrentando em um armazém. Confiram:


Achei o trailer foda e acho que esse filme vai ser bem divertido.

Mas tiroteio em armazém me lembra aquele grande clássico do cinema...

Cães de Aluguel? Não, Coca- O Preço de uma Vida, que tem uma das melhores cenas de violência da sétima arte!


Chupa, Tarantino! Chupa Scorsese! Chupa Peckinpah!

13 de set de 2016

Garbage Vem ao Brasil

Como já devem saber o Garbage está chegando ao Brasil.


Pela segunda vez no Brasil, a banda vem pela primeira vez ao Rio de Janeiro, farão show no Circo Voador no dia 11 de dezembro, já em São Paulo por onde passaram em 2012 no Festival Planeta Terra, se apresentarão no dia seguinte (12/12) no Tropical Butantã. Depois a banda continua a turnê pela América do Sul indo para Argentina e Chile.

O Garbage surgiu quando Butch Vig, Steve Marker e Duke Erikson que já produziam remixes para grandes nomes do rock (Vig produziu Nevermind do Nirvana) começaram a utilizar os seus conhecimentos acumulados para produzir músicas próprias, que não agradaram muito quem ouviu, até que juntou-se a eles a rainha Shirley Manson, que assumiu os vocais, assim nasce o Garbage, lançando o primeiro álbum em 1995.


Eles chegam agora ao sexto disco, “Strange Little Birds”, já muito elogiado e produzido de forma independente no selo da própria banda, o Stunvolume.
Garbage no Brasil é imperdível, o CPR estará no circo dia 11 de dezembro. Os ingressos estão no Ingresso Rápido e no Clube do Ingresso, fora os pontos autorizados. Corra que os lotes estão acabando.


Como diria o Marc, fã número 1 do Garbage, aproveitando o ensejo, fiquem com o videoclipe da faixa Empty, o primeiro do novo disco, lançado há alguns meses. 



Lógico que não perderemos a chance de ver a rainha ruiva( ou de cabelo rosa) de perto!



Os Vídeos Mais Recentes de Bat For Lashes ou As Várias Faces de Natasha Khan

Andei papando mosca e não falei dos novos videos musicais de Natasha Khan e o Bat For Lashes. São faixas do seu novo álbum, o conceitual "The Bride".


O disco conta em suas faixas a história de uma  mulher que o noivo morre no dia do casamento e ela decide ir para a lua de mel sozinha, inicia-se assim uma viagem de superação e autoconhecimento, desde a primeira faixa "I Do", "Aceito" até a conclusão.


Pode parecer uma história simples, mas ela abre uma série de possibilidades para Natasha explorar ao compor a personagem em cada verso e também em cada interpretação em shows que vem realizando, e nos três videoclipes já produzidos.


É o quarto disco do Bat For lashes, os anteriores foram Fur And Gold (2006), Two Suns (2009) e The Haunted Man (2013). Natasha mostra amadurecimento criando uma estética muito particular em The Bride, trazendo um pouco do que já é característico em seus trabalhos, como o misticismo, mas ousando. É o disco menos pop, se é que dá para dizer que os anteriores eram pop, 

Vamos conferir agora o mais recente vídeo, lançado semana passada. Joe’s Dream, bem melancólico, mas também bonito, uma atmosfera de sonho e Natasha surge interpretando de forma triste e ao mesmo tempo sensual. 



Anteriormente saíram In God’s House, que fala sobre a noiva e a espera na Igreja, o clipe é cheio de simbolismo como a cruz  e o carro. Depois foi lançado Sunday Love, a mais próxima de ser pop, o som eletrônico casa perfeitamente com a melodia e a voz de Natasha, e o clipe tem a atmosfera conhecida de outros de seus vídeos.  Confira:







Natasha se entrega à personagem também nas apresentações ao vivo.





Lembrando que a mesma história do álbum faz parte do curta "I Do", que Natasha dirige e roteiriza, ele faz parte do longa metragem Madly, que reunirá histórias de diferentes artistas, todas elas sobre versões diferentes do amor. O longa estreia em breve.


Para terminar falo de um projeto paralelo de Natasha Khan, lançado ano passado e que também estava devendo aqui. Sexwitch, gravado em parceria com a banda Toy e o produtor Dan Carey, trata-se de música ritualística, de inspiração esotérica. Quem conhece Bat For Lashes já sabe que esse mundo não é novidade para Natasha.

O projeto consiste em trazer para o rock musicas folclóricas e psicodélicas dos anos 70, são canções de diferentes lugares do mundo, por exemplo, Irã, Marrocos, Tailândia e Canadá. A ideia foi gravar de forma bem underground, a banda aprendeu e gravou as musicas em um dia. E Natasha canta em transe como uma hippie ou como se estivesse em um ritual pagão daqueles de "O Homem de Palha" Confira:










Ouçam o álbum completo:



Sou suspeito para falar de Natasha Khan, sou fã dela desde que ouvi pela primeira vez What's a Girl to Do?, mas digo que é sem dúvida uma das artistas mais interessantes da atualidade. Longe de ser uma modinha como algumas vezes se referem a artistas chamados "Indie". 


12 de set de 2016

30 Gifs do Capitão Kirk

Aproveitando que Star Trek completou 50 anos e que Sem Fronteiras está em cartaz em Terras Brasilis, vamos começar a semana com gifs dos capitães Kirks, William Shatner e Chris Pine