Header Ads

Loja Cultura Pop A Rigor

Review – Gravidade

Gravidade

(Gravity)
Direção: Alfonso Cuarón.
Elenco: Sandra Bullock, George Clooney e Ed Harris ( voz )
EUA, 2013.



O quão pequenos e frágeis somos nós seres humanos diante da grandeza do universo? Esse é o tema de Gravidade, ficção cientifica de Afonso Cuáron e um dos principais concorrentes ao Oscar 2014. Sete anos depois do ótimo Filhos da Esperança, o diretor mexicano volta a entregar outra ficção cientifica relevante. 

A trama acompanha a novata Drª Ryan Stone (Sandra Bullock) e o experiente astronauta Matt Kowalski  (George Clooney) em sua luta por sobrevivência. A dupla acaba à deriva  e sem qualquer tipo de comunicação com a Terra. A única chance é chegar até uma estação chinesa, antes que o oxigênio que carregam acabe.



Visualmente, o filme impressiona, com efeitos especiais que buscam o tempo todo ser crível, o mais próximo possível da realidade, levando o espectador a entender a dificuldade de se locomover no espaço e sentir, bem, a gravidade de toda a situação, em que sobreviver parece impossível. Destaque também para a trilha sonora de Steven Price, que contribui para a tensão e o tom claustrofóbico do filme.

Como escrevi no inicio, o filme trata de como nós humanos são pequenos no infinito espaço. Stone e Kowalski vagam quase que sem nenhum controle sobre que direção tomar. São pequenos, minúsculos frente à imensidão do universo. Pequenos e solitários. Solidão que se reflete nos diálogos. Logo nos primeiros momentos, antes do acidente que os deixa à deriva, Ed Harris é o controle da missão em Houston, a voz que orienta os astronautas, mas também conversa de maneira descontraída, um contato humano  necessário diante da distância entre estes e terra firme. Mais tarde, Stone e Kowalski travam diálogos estilo pergunta-resposta, que podem até soar artificiais, mas  demonstram a necessidade humana de não ficar só. Aliás, os diálogos nos contam um pouco da história dos personagem e revelam que a solidão já os acompanhavam na Terra.



Quanto às atuações, George Clooney empresta seu charme e carisma ao calmo e divertido Kowalski, que funciona quase como uma âncora que prende Stone a um único objetivo: sobreviver. Sandra Bulloock, por sua vez, apresenta, sem duvidas, a melhor atuação de sua carreira, como a Drª que precisa buscar forças em seu interior, forças que provavelmente ela própria desconhecia, para brigar contra o espaço por sua vida.

Enfim, Gravidade é um espetáculo visual incrível, mas também uma boa história de superação.

Follow Cultura Pop A Rigor on Feedio

Autora: DRI TINOCO

Apaixonada por música, cinema e gatinhos. 

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.