Hoje tive vontade de escrever sobre o grande Peter O’ Toole



 Peter Seamus O’Toole nasceu em 2 de agosto de 1932, em Connemara, na Irlanda. O’Toole estudou em um colégio católico, período que ele descreveu da seguinte forma: “Eu costumava ter medo das freiras: toda sua negação a feminilidade – os vestidos pretos e raspar todo cabelo – foi tão horrível, era terrível". Aliás, O’Toole dizia ter perdido a fé na religião organizada quando adolescente, mas afirmava continuar crendo em Cristo, ao seu modo:  “Ninguém pode levar Jesus para longe de mim … não há nenhuma dúvida de que houve uma figura histórica de grande importância, com noções enorme. Como a paz".



 Ao sair da escola,  ele conseguiu um estágio como jornalista e fotógrafo. Em 1952, O’Toole, através de  uma bolsa de estudos, ingressou na Royal Academy of Dramatic Art, onde estudou na mesma classe de Albert Finney.




Na vida pessoal é sabido que O’ Toole tinha problemas com o álcool. Sua esposa, a atriz galesa Siân Phillips, com quem foi casado de 1959 a 1979, alegava que Peter bebia demais e era sujeito a crises de ciúmes. Com Siân, ele teve duas filhas,  Kate e Patricia. De um relacionamento com a modelo Karen Brown, nasceu seu terceiro filho, Lorcan. A bebida foi a causa de alguns problemas de saúde que quase o levaram a morte nos anos 70, quando precisou ter seu pâncreas e grande parte do estômago removidos.




Como ator, os primeiros trabalhos de Peter O’ Toole foram no teatro, onde atuou, por exemplo, em diversas peças de Shakespeare, inclusive vivendo o papel titulo de Hamlet. Fez alguns trabalhos na televisão e em 1960 aconteceu sua primeira aparição no cinema, no filme  Kidnapped. Entretanto, seu primeiro papel de expressão viria em 1962, papel que marcaria a sua carreira e pelo qual seria sempre lembrado:  T. E. Lawrence, em Lawrence da Arábia. O’Toole protagonizou o filme, depois que, veja só, Marlon Brando e Albert Finney recusaram o projeto. 




Com Omar Shariff, na noite do lançamento de Lawrence da Arábia


Lawrence da Arábia  lhe rendeu a primeira das suas oito indicações para o Oscar de melhor ator. Oscar que só viria em  2003, pelo conjunto de sua obra. Por essas e outras, sempre achei que as pessoas costumam levar o Oscar mais a sério do que deveria…

 



Peter recebeu seu Oscar honorário das mãos de Maryl Streep

 

Ao longo de sua carreira, O’Toole ganhou quatro Globos de Ouro, um BAFTA e um Emmy.

 




 Com Audrey Hepburn, em Como Roubar Um Milhão de Dólares (1966)





com Romy Schneider, em O Que é Que Há, Gatinha? (1965)



Em 2004, acompanhado por Eric Bana e Brad Pitt, na estreia de Tróia (2004)



Peter O’Toole faleceu em  14 de dezembro de 2013, aos 81 anos, segundo o divulgado, de causas naturais.


Espalhe:

Dri Tinoco

Post A Comment:

0 comments so far,add yours