Shame

Diretor: Steve McQueen
Elenco: Michael Fassbender, Carey Mulligan, Nicole Beharie, James Dale, Lucy Walters.
EUA, 2012



Logo nos primeiros momentos de Shame, somos apresentados a Brandon (Fassbender) e sua rotina, que envolve o trabalho em uma empresa, happy hours, masturbação, sexo casual, clubes, prostitutas e solidão. Nesse inicio, já temos uma cena emblemática, que diz muito sobre o personagem. Brandon encontra-se sozinho no metrô e troca olhares com uma moça (Lucy Walters).  No decorrer, vemos a mulher ir de interessada a seriamente assustada. Resultado do olhar anormalmente intenso que Brandon destina ao seu alvo. Olhar de quem está diante não de uma paquera, mas de sua compulsão, seu vicio.

Entretanto, a rotina de Brandon é abalada com a chegada de  Sissy (Carey Mulligan), sua irmã. Sissy também é um personagem obsessivo e igualmente autodestrutiva, mas, sua compulsão é por atenção;  ela é totalmente carente e dependente, seja do irmão ou de algum namorado que tenha lhe dado um fora. Sissy, com sua natureza dramática, é quem vai trazer desequilíbrio para a minuciosamente organizada vida de Brandon, confrontando sua falta de ligações sentimentais, levando a reações que podem ir da ternura a raiva.



Um dos pontos mais interessantes do filme é que em nenhum momento ele tenta justificar as atitudes de seu protagonista ou explicar seu comportamento. Só temos uma vaga ideia de que a infância dos dois irmãos não deve ter sido muito boa. O que nos leva a outro ponto, Sissy representa não apenas essa turbulência na rotina programada Brandon, mas também seu único vinculo com um passado que parece perturbá-lo.

Michael Fassbender é perfeito na sua interpretação de um homem incompleto, esmagado pela solidão (enfatizado nas cores frias utilizadas durante o filme) e que se mostra incapaz de construir um relacionamento mais sólido do que um encontro casual e com reais ligações emocionais, apegando-se ao prazer efêmero do sexo, seja com quem for. Destaque também para Carey Mulligan, que vive a irmã de Brandon. Ela é o oposto dele, é uma mulher que se apega em seus relacionamentos de maneira exagerada.



O desfecho do longa pode parecer anti-climático aos olhos de alguns, já que, em geral, as pessoas sempre esperam um resolução definitiva. Porém, é extremamente adequado, já que o filme mostra os dramas do personagem e não busca uma grande revelação catártica.



Espalhe:

Dri Tinoco

Post A Comment:

0 comments so far,add yours